Pages

Subscribe

12/10/2009

A CRIANÇA QUE FUI CHORA NA ESTRADA



A criança que fui chora na estrada.
Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
Quero ir buscar quem fui onde ficou.
Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou
A vinda tem a regressão errada.
Já não sei de onde vim nem onde estou.
De o não saber, minha alma está parada.
Se ao menos atingir neste lugar
Um alto monte, de onde possa enfim
O que esqueci, olhando-o, relembrar,
Na ausência, ao menos, saberei de mim,
E, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar
Em mim um pouco de quando era assim.

Fernando Pessoa



Em que momento, perdemos fio da inocência da criança interior, trocando-a pela estrada da vida de excesso de adultice, e que deixamos o infante morrer, soterrado por certezas absolutas, sem direito a revisão ou resignificação.

E como adulto transitamos na estagnação psicológica, porque abdicamos da criança interior, e assim agindo ferimos-a. E a criança, que deveria ser feliz, chora, ou seja, representa sofrimento e abandono indevido.

É a profunda estultice de uma vida sem 'Escuta', mas não nos damos conta.

Nossos ouvidos não ouvem mais...

Nossos olhos não enxergam mais...

Estamos cegos e surdos.

Apesar de cada etapa da vida conspirar com aderência profunda da intuição, e mostrar-nos que o caminho para retornar a estrada é o único viável na cura interior.

Buscar quem 'FUI onde FICOU' é a meta.

Despir das certezas de ser humano 'adulto' muitas vezes dolorido, com excesso de fragmentação, perdido na estrada e tomar posse que 'É O NADA', é o caminho mais econômico para uma vida salutar.

A nostalgia da infância é um dado muito importante. É hora de recuperar um pouca da criança em si, é hora de retornar.

Voltar a estrada para buscar quem lá ficou, é essa a tarefa sagrada que o Divino ofertou.

Curar as feridas da criança interior é devolver o poder da inocência e simplicidade , que jaz inerte pedindo revitalização. É caminhar em direção ao dharma.

Essas são feridas sagradas que a consciência empurra para a cura e o Universo pródigo conspira pela plenitude.

Cure-se!
A revitalização devolve o melhor da nossa criança interior.
A leveza, a suavidade, a alegria e espontaneidade.
A autenticidade é uma tarefa sagrada que nos incube a trajetória da vida, e só a cura das feridas da criança interior pode realizar esse intento.
É hora de relembrar quem fomos.
Use seus talentos. Cure-se!
Saúde e plenitude!
Paz Profunda




27 comentários:

Jorge disse...

Norma, que Fernando Pessoa tocante!!!
Gosto muito de suas poesias, que dizem muita coisa poéticamente.
E num tema esquecido pelo adulto que é a criança interior.
Norma, seu comentário também é um grande incentivo a colocarmos a criança no nosso dia-a-dia. Nada melhor olharmos a vida com prazer e alegria, vivendo cada momento com intensidade infantil, e isso naturalmente nos faria trilhar um caminho mais florido e perfumado.
Norma, minha amiga, obrigado pelo post e que tenha uma semana repleto de alegria!!!

Um doce beijo neste teu coração tão lindo e sensível!!!

Jorge

Marcos Takata disse...

Já se passaram os anos e esquecemos da criança.
Me recordo de muitas coisas e vou recordar mais, aliás resgatar.
Muito lindo esse tributo a criança, principalmente trazendo Fernando Pessoa.
Namaste

LUCONI disse...

Ah Norma que lindo versos de Fernando Pessoa, e seu texto interagiu de maneira muito especial, ah como quisera sonhar como quando criança, sorrir e ser espontânea igual, como quisera apagar as cicatrizes que me fizeram esquecer da criança que um dia fui, hoje já nem me lembro, fez-me chorar, obrigada por ter ido até meu blog, assim tive a oportunidade de conhecer teu trabalho que é maravilhoso, beijos Luconi

marcelo dalla disse...

Querida!!! Você disse tudo o que é preciso.
Curar nossas feridas escondidas, equecidas no quintal da infância.
Esse poema do nosso amigos Fernando Pessoa é prefeito!
leveza
suavidade
alegria
espontaneidade
Tudo o que é preciso!

grande bjo

JR disse...

Somos eternas crianças a brincar de esconde-esconde ,
numa mascara de adulto pra não ser reconhecido em nenhum bonde
e nos tantos melindres diários continuamos ainda a cavalgar
na esperança que um dia nossa infancia possa voltar....
Abraços

Norma Villares disse...

Jorge que bom vê-lo aqui.
É um tema esquecido pelo adulto, a criança interior foi abandonada e deixada à sorte.
Cada ser humano tem o poder nas mãos, basta iniciar a movimentação.
Obrigada, abração

Norma Villares disse...

É marcos, passaram-se os anos, e deixamos embalar pelo esquecimento da alegria da criança interior viva.
Grata pela presença.
Bijussssssssssssssss

Norma Villares disse...

LOCONI, somos e temos todas as possibilidades em nosso interior.
O ser humano é um arquétipo de sua própria história.
Basta iniciar o caminho de volta...
Grata pela presença

Norma Villares disse...

Marcelo, foi a sua alegria e espontaneidade que inspirou esse post. A sua criança está viva, linda, leve e solta em sua alma.
É vero, a meta é curar nossas feridas escondidas esquecidas no quintal da infância.
Isso
leveza
suavidade
alegria
espontaneidade
Tudo que todos nós precisamos!
Todos nós
Grata pela presença
Abraços alegres

Norma Villares disse...

JR, somos eternas crianças, a brincar de esconde-esconde.
Que bom que sua criança ainda brinca.
A esperança é a luz que brilha no caminho de volta.
Lindo!
Abraços suaves

Hugo Cheng disse...

Norma, estes poema e texto mtos bontos. Precisamos retornar para buscar a criança. Bem lembrado
Om Shanti

Stella Tavares disse...

Vamos deixando de lado nosso criança interior e pagamos um preço alto por isso. Ainda hoje me referi sobre a criança interior no mundodashistoriasmagicas.blogspot.com. Quando puder dá uma passada por lá.
Bjs

Norma Villares disse...

* Hugo muito obrigada, pegou seus selinhos.

* Silvana, que bom que também escreveu sobe a criança interior. É bom lembrar.
Grata pela visita e comentário
Abraços

Lívia Luz disse...

Esse Fernando Pessoa é especial, e que forma linda de interpretar, nós seres humanos precisamos fazer essa reflexão.
Beijo em seu coração

O Profeta disse...

A meiguice dos teus olhos
Enternece a alma mais dura
Sei-te em cada batida de coração
Na verdade da água pura

Voa pelo celeste no seio de uma nuvem branca
A água que beija a ilha
Apaixonou-se pela sua sublime beleza
De emoção chorou perante a maravilha

Doce beijo

Norma Villares disse...

Ei Livinha sumida, saudades.
Beijinhos

Norma Villares disse...

Profeta poético profetizando.
Obrigada pela linda poesia que devolve o brilho no olharm=, bate no coração e de emoção nos faz chorar.
Abraços poéticos

FrancK P_LavD disse...

Amiga Norma, Parabéns!...

Por ter publicado um poema do grande Génio que é Fernando Pessoa.

Beijos de Luz e Paz,

FrancK

REGINA GOULART SANTOS disse...

Belo poema. Como sempre ! É sempre muito prazeroso a gente se permitir, e deixar criança que reside dentro de nós, tomar parte do mundo em que vivemos...de forma mais leve, suave, alegre, e espontânea.
Muitos beijos

Zininha disse...

REVIVO ESTE BOM TEMPO DE CRIANÇA, COM MESU FILHOS...E ESPERO REVIVER MAIS UMA VEZ COM MEUS NETOS...ESTOU ESPERANDO POR ELES...

HUHUUUUU!!! BEIJOS...

Peregrina da Luz disse...

O poema de Fernando Pessoa é 10!
O comentário é 10 também.
Que gostoso lembrar da criança, que bom reviver a fase saltimbancos.
Bom demais
Bj no core

Sarah El Khouri disse...

Realmente o convencioanlismo dos tempos atuais, faz com que percamos a criança que temos dentro de nós. E isso nos torna infelizes... Precisamos de um pouco da inocência que tinhamos e de brincarmos uns com os outros. Diz Walt Disney que "o adulto incapaz de ser criança não pode sentir o prazer pela vida." E eu concordo com isso.
Belas palavras e belo poema de Fernando Pessoa. Amei ler, me fez bem!

Norma Villares disse...

Que coisa linda Sarah!
Bem lembrado Walt Disney,
"o adulto incapaz de ser criança não pode sentir pela vida!

Esse prazer de alegrar, de suavidade, de ser espontâneo é da criança interior, e é nela que o adulto deve buscar refúgio.
Obrigada linda!

Norma Villares disse...

Frank, o grande Fernando Pessoa não pode ser esquecido. Muito obrigada amigo.
Abraços

Norma Villares disse...

*Regina, é muito prazeroso a permissão de ser criança.

*Zizinha, falou muito bem, ensine e aplique a alegria e espontaneidade aos seus netinhos.

*Peregrina, com certeza é nota 10 pra Fernando Pessoa.
Mas para mim, não sou poeta, não sou escritora, apenas aprendiz de aprendiz.

Abraços luminosos

Viveka disse...

Lindo!
A perda da criança, faz esse desastre. E o adulto fica paralisado pelo sua incapacidade de voltar. Gostei de Walt Disney: "o adulto incapaz de ser criança não pode sentir o prazer pela vida."
Tb bonito.
Namaste
Bjs

Norma Villares disse...

Viveka olá, obrigada pela visita e comentário.
com certeza provoca um desatre o abandono da criança interior.
Mas sempre há tempo pra voltar.
Abraços luminosos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...