Pages

Subscribe

26/06/2011

CLARICE LISPECTOR – EXCERTO


- Papai, inventei uma poesia.

- Como é o nome?

- Eu e o sol. – Sem esperar muito recitou: – “As galinhas que estão no quintal já comeram duas minhocas mas eu não vi”.

- Sim? Que é que você e o sol têm a ver com a poesia?

Ela olhou-o um segundo. Ele não compreendera.

- O sol está em cima das minhocas, papai, e eu fiz a poesia e não vi as minhocas…

(Clarice Lispector - Perto do Coração Selvagem)


Grande Clarice! Quem quer ter bons ventos da poesia, iniciam como Clarice, vendo sua relação com sol, e toda claridade existencial. Algumas pessoas não consegue ver nada, mas o Sol e a Luz brilham na amplidão universal trazendo ventos da alegria para o coração da poetisa, essa é a nossa querida poetisa Clarice. Vertida em lágrimas e sorrisos assim é a encantada poesia que brota tão tenra no coração dos simples, complexos, ricos, pobres, amantes, solitários prenhe de amor e poesia...

Voa, voa passarinho além da imaginação!

22/06/2011

GANSOS SELVAGENS VOAM AO CUME...

(fotografia Norma Villares)

Tu és o meu amor, acredita,
embora eu diga que não.
As palavras nem sempre dizem
o que sente o coração.

(autor desconhecido)


C
omo crianças felizes brincavam... Amavam... Sorriam... Criavam... Luziam... Vicejavam... Curtiam...Voavam... Ouviam... Silenciavam... Sentiam... Beijavam... Tocavam... Poetizavam.. Cantavam hinos de amor...

N
o âmago do peito sinais de cortesia brilhavam em suaves labaredas, eram os sinais dos olhos que luziam em sentimentos no templo do coração. E no rendilhado da vida o diálogo era vívido, crepitava a chama da iluminação... Voavam atentos no céu estrelado... Silenciosa chama vermelha reluzindo o amor in natura, apenas saudades verte no canto alegre na onda do 'ir e vir' com suavidade.

Nada mais arde a alma em queixumes, o homem psico-lógico fragmentado e mutilado em sua existência, degusta as novas experiências de unir-se ao espiritual, preparando coração e mente na direção ao grande vôo aos portais de estados consciências 'mutatis mutandis' .

E as novas músicas são ouvidas com contentamentos que toca na porta aberta do puro coração. São corações saudáveis ornados com plumas douradas, bem penteadas como fios de sedas... E nas solares vestimentas transmutamos como gansos selvagens que voam em direção ao cume da montanha. Vicejam e sonham com a grande união de luz.

E assim no céu de anil, corações luminares voam em direção a montanha encantada...


Norma Villares
30.03.2011


(A montanha encantada dos gansos selvagens, na mitologia chinesa, referem-se ao local sagrado de encontro entre as metades da alma. E o caminho a ser seguido pelos gansos é que levará ao cume da montanha, a plena realização de um grande amor)

21/06/2011

Quem avisa amigo é... Blogueiros leiam.


Aos amigos blogueiros que nunca mandam mensagem ou comentam. Preste muita atenção, para as histórias que vou te contar.


As últimas notícias veiculadas por essa mulher danada de sabida chamada Internet ou interneta. Aqui no Brasil é interneta, porque a Presidente virou Presidenta. Nesse Brasil varonil da professora Heloisa Ramos que ensina que escrever e falar errado é o certo, acredito que algumas palavras também vão mudar no futuro, vamos ver algumas: a pacienta; a dissidenta; a doenta; a contenta; a representanta; a eleganta; a sorridenta; a adolescenta... E aí vocês gostaram das mudanças do português?


Então vamos chamá-la de interneta, sei que apresentaram-me esta talzinha, mas não tenho intimidade com ela, mas as más línguas dizem uma coisa aqui outra acolá. Muitas vezes coisas terríveis outras nem tanto. Só podia ser linguaruda que só ela mesma, contam que essa tal de interneta é fofoqueira que dá nó em pingo d'água.... Ela é pior que ' briga de bêbados com foice na mão, em cisterna'. Mas, também é boa, é muito boa. É boa de dá dó, não tem maldades, só tem coisa boa, cada presente bom... Mulheres não me coloquem na prisão, porque agora tudo é crime e tem que pagar fiança.


Bem, dizem que esta notícia também foi transmitida pela TV de Roberto Marinho, que já deixou de ser marinho, porque agora virou cinzas, rsrsrsrs. No rádio relógio, na imprensa marrom e nas revistas não publicadas, porque nem foram editadas, trazem as seguintes NOTÍCIAS, vejamos:


NOTÍCIA DE PRIMEIRA MÃO:

O yogurte informa que àqueles que nunca mandam mensagem ou comentam, em breve terão seu perfil debilitado por inanição, seus ossos (post) fraquinhos causado pela osteroporose se transformará em pó, e seu blog totalmente deletado do programa Google;


Blogueiros tomem Tenência deixem recados, comentem e mandemmmmm mensagens!


OUTRO AVISO: O Tribunal do Santo Ofício informa a exterminação da face da terra àqueles que nunca respondem as mensagens, comentam, sem direito a qualquer processo administrativo ou judicial e sem decisão do mérito;


INFORMAÇÃO FORTE: O Tribunal do Santo Ofício informa que seus corpos serão queimados na fogueira santa, e sua prole será excomungada até a 6ª geração, a todos àqueles que não participam de uma rede de relação internetiana;


COMUNICAÇÃO PESADA : A Funerária Torresminho informa que um raio atingirá o corpo daqueles que não respondem as mensagens e comentam, sem direito ao choro, velas, e fitas amarelas;

ÚLTIMA NOTÍCIA: Seus corpos servirão de alimentos aos ratos ou futuramente ração de dinossauros no planeta chupão.


Ah! NOTÍCIAS ALVISSAREIRAS. DA TECNOLOGIA DE PONTA: Os cientistas da Harvard informam que àqueles que nunca mandam mensagem ou comentam, em breve serão exterminados da face da terra e seus corpos serão queimados e de suas cinzas serão usadas em misturas para compor uma cultura de germes que estão inventando.


Obedeçam de imediato, senão... senão...senão...

Quem conta o conto deve aumentar um ponto.

Adicionei mais e más notícias nesse email que recebi, é a imprensa marrom atuando.

O meu coração está apreensivo, se os povos e a povas vão entrar na Justiça contra a minha humilde pessoa, porque falei mal dessa mulher chamada interneta.

Sorria a vida é bela!

Beijinhos


Fonte da Imagem:data:image/jpg;base64,/9j/4AAQSkZJRgABAQAAAQABAAD/.

20/06/2011

Amplidão Univérsica

(fotografia Norma Villares)

Eu toco a lua,
dormes sereno
Briha no palco da ilusão
Solto em sutis emoções
Bem no meio do coração
Silencia o alvo lençol
Olha e não me vê
Invisível lábio
orvalhados sorrisos
doce quentura
Toca a beleza venerável
Olhos que brilham
como lamparinas
dulcificando na lúdica
amplidão do universo.

Norma Villares
30.03.2011


19/06/2011

NO JARDIM DA VIDA. Eu chorei...


(fotografia Norma Villares, clica na imagem pra ver melhor)

Rosa

Rosa colhia sozinha
Lindas rosas no jardim
E nas faces também tinha
Duas rosas de carmim.

Cheguei-me e disse-lhe: Rosa
Qual dessas rosas me dás?
As da face primorosa
Ou essas que unindo estás?…

Ela fitou-me sorrindo,
Ainda mais enrubesceu;
Depois, ligeira fugindo,
De longe me respondeu:

“Não dou-te as rosas das faces
Nem as que tenho na mão:
Daria, se me estimasses,
As rosas do coração.”

Afonso Celso de Assis Figueiredo Junior. (nasceu em Ouro Preto, Minas Gerais, a 31 de Março 1860, e morreu no Rio de Janeiro em 11 Jul 1938).


(fotografia Norma Villares, clica na imagem pra ver melhor)

(clica na imagem pra ver melhor)

(fotografia Norma Villares)

Essa poesia minha mãe me ensinou criança pequenina para declamar no aniversário de meu pai, era uma festança na pequenina cidade. E aos três anos de idade ela ensinou meu filho para declamar em meu aniversário, foi uma linda surpresa do coração. E aos 5 aninhos, no dia das Mães, ele subiu ao palco numa comemoração escolar, sem ter programado nadica de nada, risos... Para declamar a mesma poesia, mas ao iniciar percebeu que tinha esquecido a poesia, deu risadas desejou feliz dias das mães e desceu sem qualquer cerimônia, a pláteia inteira entrou em delírio de gargalhadas. Aos 7 anos de idade, ele e minha filha noutra comemoração do dias das mães, num salão lotado numa Doutrinária na Casa Espírita, também me surpreenderam oferecendo rosas, e cantaram uma linda canção:

Flor Mamãe

Andei por todos os jardins,
Procurando uma flor pra te ofertar,
Em lugar algum eu encontrei,
A flor perfeita pra te dar,
Ninguém sabia onde estava,
Esta flor, mimosa perfeição,
Ela se chama flor mamãe,
E só nasce no jardim do coração.(...)

E no jardim da vida eu chorei... eu chorei muito... eu chorei a singela riqueza da vida brota num coração exalante em perfume como as rosas odorantes da infância pueril. Gratidão e plenitude, minha'lma viveu cheirosa de amor, e o amor é o desabrochar das rosas airosas da vida, que enobrece os corações durante toda existência. Eu disse SIM. Diga SIM, a Flor da Vida! E no exato momento em que disser SIM vai abrir-se inebriado pelo perfume do amor e das rosas no jardim da vida... A Sarah e Manuel, meu filhos queridos, que muito amo de paixão, esse post é pra vocês pelo perfume que exalaram em minha vida. Norma Villares


Uma vida sem amor é como árvores sem flores e sem frutos. E um amor sem beleza é como flores sem perfume. Vida, amor, beleza: eis a minha trindade.
K. GIBRAN

18/06/2011

Sonhei... Num ritual de passagem


(Estou fitando a natureza em Brasília - Pontão)

Quase meia noite, acordei de um sonho do passado, ainda meio zonza feliz eu cantava... Se a minh'alma busca estradas, ando cá fechada em minha torre de marfim, meio isolada nesse mundo de carmim. E se carmim é feito de matéria com a seiva imaculada, cá estou eu nesse sonho do passado, vivendo a transição da meia idade, em que nada ou tudo é entendido nesse grande varal de roupas lavadas e que nem cabe em meu corpo que a muito tempo deixou de ser sarada. Paradoxal!

Estava em meus sonhos e devaneios, numa cachoeira cheia de corredeiras, junto a uma pedra lisa sentada, lava minhas roupas coloridas, cantando feliz entoava: Olé Mulher rendeira, olé mulher rendá. Tu me ensinas fazer rendas, que eu te ensino a namorar... Tu me ensinas fazer rendas, que eu te ensino a namorar...

E todas as roupas eram do passado, coloridas, brancas, lindas vestes para amar nos sonhos de adolescente tímida e encantada. As brancas estendidas no corador, para o sol ajudar a alvejar... As coloridas no varal para sol e o vento num lindo sopro ajudar a secar.

Ruminando em silêncio... Descendo da minha torre de marfim. Se as roupas eram antigas cabiam no corpo juvenil, mas, não cabem nesse corpo de agora. Foi-se embora a estrutura de outrora.. Varando muitas noites ruminando a vida em silêncio.

Estou entrando na melhor idade da sabedoria, creio nesse sonho estar vivendo um ritual de passagem, e assim eu me recebo no rio da minha existência, louvada pela natureza cantante: terra; água; vento; sol e ar.

Oh! Querida e alma na aureolada transição dessa passagem de luz. Beijo-te as mãos e louvo-te os pés que andaram pelas trilhas sonoras de desertos e oásis. Hoje, a única coisa que importa é a vida em silêncio. Devolvo a 'terra mãe' as imagens ilusorias do passado, roupas bem lavadas pela água da flexibilidade e bem secas pela luz do sol que ilumina todos os cantos sombrios, pelos ventos soprados vibro na suavidade e leveza. Hoje eu sou o que eu para vim ser quem sou. Hoje serei sempre quem fui no fio da existência.

— É para ti essa passagem, alma bendita, pois nem sou quem tu és... sou mais...

Colhendo instantes tão gentis e fugidios, louvo a mãe terra que partilhou com esses presentes, cósmicas dávidas que ajudam no feliz ritual de passagem... Sozinha como eu vim a terra, sem palavras para descrever beleza indizível. Mas, com a companhia sinfônica de simples músicas de um povo simplório e humilde, nas corredeiras da vida eu me ritualizei.

Ecos da alma ressoavam sem fio e sem navio no rio existencial. Despida das velhas roupagens que não cabem mais...

Eu sou bem vinda a nova idade com gratidão e plenitude. Estou aqui

Passei!


17/06/2011

O UNIVERSO SURPREENDE!?


Hoje, eu me deparei com uma situação que me fez reflexionar acerca da pressa inerente a minh'alma e creio ser também de inúmeras mulheres. Eu tenho a mania de querer resolver as coisas de imediato. Inclusive, tenho a mania de não compreender que o outro não tem a mesma dinâmica de vida que eu tenho, por isso fico impaciente pela lentidão comportamental.

Certa vez, uma amiga minha, me disse: Norma, eu dou tarefas a você porque sei que você é muito ocupada e por isso tem a dinâmica de realizar rapidinho. Quanto mais desocupadas estão as pessoas, menos tempo tem para realizar alguma coisa.

E assim sempre foi minha vida, todavia, apareceu outra lição para aprender, a de esperar... Esperar de mais, esperar de menos... Eu não tenho que fazer as coisas aconteceram, porque sempre fiz isso. E o que sempre acontece é um esforço unilateral, totalmente desproporcional das energias de equilíbrio, o 'dar e receber' de forma igualitária.

A nova lição para minha vida é 'esperar', aprender a ter mais paciência principalmente com as pessoas que eu amo. De nada adianta este excesso de nervosismo e pressa em resolver as coisas, o tempo é Divino e o meu momento é de esperar. E como diz Andy Warhol: A paciência é a arte de esperar. Será que vou conseguir esperar?

Enquanto isso, eu vou ficar sentada a beira do caminho a esperar. Gente, fui buscar longe essa música de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, vamos cantá-la:
Eu não posso mais ficar aqui. A esperar! Que um dia de repente, você volte para mim... vejo carros, caminhões apressados a passar por mim... Preciso acabar logo com isto. Eita! a impaciência voltou de novo, risos. Caracoles!
Muitas vezes, eu sou oito ou oitenta, risos. E para manter o senso de piada com as minhas bobagens, devo lembrar em manter seu sexto sentido atento e alerta, para que a paciência excessiva não se torne cúmplice de situações desamorosas. Há muito a ser feito no jardim da vida, há inúmeros trabalhos conceituais e experiencias acerca do amor ainda a serem realizados por mim. Dizem: o amor suporta ou o amor envolve. Sedução dos sentidos. Beleza, encanto. Tentação. Tudo isso e muito mais. Vou esperar. Até quando não sei...

Dizem que o Universo surpreende quando trabalhamos com a arte da paciência e sorrimos relaxadas enquanto ficamos a esperar. Agindo assim, abrimos um espaço lúdico e criativo para as suspresas Cósmicas atuarem. Bem, eu vou esperar mais um pouco, ou a piada cósmica vai me pegar, risos. Relaxando... (amei essa carinhas)

Porque a pressa?



Fonte da Imagem:http://l.thumbs.canstockphoto.com/canstock0643957.jpg




16/06/2011

O céu é real


A história do menino americano Colton Burpo que disse ter estado no céu quando ficou em coma depois de uma operação de apendicite virou livro e motivo de polêmica nos programas de TV.

Colton está hoje com 11 anos, mas foi aos 4 que ele passou por essa experiência. Os pais dele contam que suas lembranças vieram aos poucos e, entre elas, Colton citou o encontro que teve com o bisavô por parte de pai que ele nunca conhecera. Descreveu-o como um ser iluminado, de cabelos encaracolados e asas enormes. Disse que ele perguntou por seu pai e contou várias histórias de família.

Outro detalhe considerado impressionante foi quando Colton narrou o momento em que uma menina aproximou-se dele dizendo-se sua irmã. Ela confidenciou ao menino que não chegara a nascer e não tivera um nome na terra, mas que estava muito feliz em conhecê-lo pessoalmente já que o via apenas à distância.

Quando Colton contou essa passagem aos pais, os dois se emocionaram e chegaram a chorar. A mãe do garoto havia realmente perdido um bebê de forma natural, sem nem mesmo saber o sexo, e combinou com o marido nunca revelar isso a ninguém pois a perda havia doído muito. Portanto, Colton não sabia do ocorrido pois nem era nascido.

É aí que o mistério começa a aumentar.

Depois desses dois momentos, que chegaram a abalar as concepções religiosas da família, Colton contou outros detalhes intrigantes sobre a viagem que ele descreve como uma ida ao paraíso. Disse que naquele lugar, onde tudo é mais brilhante e colorido, as pessoas vestem-se com roupas luminosas e vaporosas, não usam óculos e parecem sempre jovens, felizes e sorridentes.

Numa outra lembrança, Colton disse que esteve sentado no colo de Jesus, e este lhe dissera que ele teria a missão de levar uma mensagem de esperança ao mundo. Ao mesmo tempo Colton revelou que ao lado de Jesus estava também João Batista, que sorriu para ele e o abençoou.

Além de todas essas revelações outras não menos desconcertantes estão no livro de Colton, “Heaven is for real" (O céu é real, em tradução livre) , que já virou best-seller desde novembro de 2010 quando foi lançado. Já vendeu quase dois milhões de cópias nos Estados Unidos e já há pedidos para ser traduzido em outros idiomas.

Ao divulgar suas lembranças aos pais, Colton não sabia o quanto estaria deixando-os intrigados, assim como a todas as pessoas que tomaram conhecimento do caso. A midia logo de interessou e Colton foi alvo de reportagens em sites, jornais, revistas e na TV. Ao ser entrevistado no programa Today, da rede NBC, ele deixou os apresentadores boquiabertos com sua naturalidade ao contar detalhes de sua “viagem”.

Os jornalistas começaram a entrevista entre curiosos e incrédulos, e acabaram completamente emocionados e convencidos de que Colton estava realmente falando a verdade. Comentaram que o menino já fora ouvido por especialistas, psicólogos e médicos em geral para uma investigação mais detalhada do assunto. A conclusão foi surpreendente. Nenhum desses profissionais soube dar uma explicação científica sobre o que ocorrera com o menino.

Para deixar as pessoas ainda mais confusas, Colton contou com firmeza que viu, do alto do quarto onde estava sendo operado, os médicos correndo de um lado para o outro para tentar salvá-lo. Dali ele conseguiu ver também o pai falando ao telefone celular no corredor do hospital, preocupado e nervoso e a mãe chorando e rezando na capela. Segundo os pais de Colton, ele não poderia saber de tudo isso ao mesmo tempo, pois ninguém os viu nessa situação naquele momento de desespero quando Colton entrara em coma.

Bem, a história e a polêmica estão lançadas. Nessa viagem ao céu o menino Colton, um pré-adolescente normal, que faz tudo o que um menino da sua idade faz regularmente, disse que trouxe na bagagem uma mensagem de Deus, principalmente àqueles que perderam seus entes queridos. Colton afirma sem pestanejar que “ O céu existe e nele as pessoas podem se reencontrar com quem se foi”.

E como seria bom a gente acreditar piamente nisso, não é mesmo?

“Heaven is for real” fez-me lembrar da história comovente do guitarrista inglês Eric Clapton que em 1991 perdeu tragicamente o filhinho de quatro anos, que caiu de seu apartamento num andar altíssimo de um prédio em Manhattan, NY. Clapton em seu desespero de pai compôs em memória do filho a música “Tears in Heaven”, onde diz que espera vê-lo algum dia no paraíso. Agora, quem sabe, depois das revelações de Colton não reacenda em Clapton a esperança de reencontrar o filho? Tomara...(Leila Cordeiro, publicado em 23/03/2011).

Eu li esse resenha do livro, gostei muito. Como eu acredito nessa experiência de quase morte, denominada EQM, comprei o livro, vou ler e depois posto pra todos blogueiros, ok!
Beijinhos luminosos!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...